segunda-feira, 26 de novembro de 2012

'Esta terra tem dono'

       Os anos passam, as histórias se renovam, porém o apoderamento de terras dos índios é um assunto sempre atual. Não deveria ser assim, os colonizadores desde os primordios de nosso país exploraram as terras indígenas, suprimindo uma das culturas mais belas das tantas que vigoram nesse Brasil.

Entenda um pouco mais sobre o caso dos Guaranis-Kaiowá...

           A difícil situação dos povos indígenas no Mato Grosso do Sul, e particularmente dos guarani-kaiowá, em sua natureza, não é diferente do que se verifica em várias outras regiões do Brasil e da América Latina. Estamos falando de um processo de expropriação territorial, com o objetivo de utilizar-se dos recursos naturais (terra, água, madeira) e consequentes violações dos direitos mais básicos dessas populações, como o acesso à alimentação, educação e saúde.
          Nos últimos anos, diversos relatórios nacionais e internacionais, de organizações da sociedade civil, como a Anistia Internacional e a Survival, além de órgãos de governo e mesmo de Estado, como o Conselho de Defesa dos Direitos da Pessoa Humana (CDDPH), têm apontado a situação dos guarani-kaiowá como um dos maiores desafios atuais do governo brasileiro na área dos direitos humanos. O outro forte fator que agrava a crise no Mato Grosso do Sul é o grande poder político da elite local, particularmente acentuado na conjuntura atual, em que o agronegócio se tornou um dos pilares de um modelo econômico baseado, em grande parte, na exportação de commodities primárias. De fato, é um mar de soja, cana-de-açúcar e pastagens para o gado bovino o que se vê, hoje, sobre as terras reivindicadas pelos guarani-kaiowá, outrora uma região de grande biodiversidade, com matas ricas em madeiras nobres, como a peroba, o cedro e a aroeira.
       Desde que o movimento indígena Aty Guasu passou a organizar ocupações de terra como estratégia para pressionar o Estado brasileiro a agir na região, em meados dos anos 1980, a Fundação Nacional do Índio sempre agiu de forma pontual, sem buscar uma solução estrutural para os conflitos. Uma determinada área era ocupada, e somente ali se iniciava um processo de identificação e delimitação.
          O movimento guarani-kaiowá pela recuperação das terras surgiu na virada dos anos 80, no bojo da redemocratização, ao mesmo tempo em que se organizavam os setores populares de todo o País. Ao longo das quatro décadas anteriores, os indígenas haviam visto seu território ser ocupado progressivamente por milhares de colonos vindos de vários cantos do País, com incentivo oficial, tanto do governo federal quanto do estado de Mato Grosso (a criação do Mato Grosso do Sul aconteceu em 1979). Nos anos 50 e 60, os líderes que ousavam reagir a esse processo de espoliação eram tachados de “comunistas” pelos órgãos indigenistas.
       A mão de obra indígena já era explorada na região desde o século XIX, na extração de erva-mate, atividade instalada logo depois que o País ganhou a posse daquelas terras com a Guerra da Tríplice Aliança. Logo, os trabalhadores indígenas passaram a ser empregados no desmatamento massivo da região e implantação da monocultura extensiva, sobretudo da soja e da cana.
         A consequência dessa exploração foi o aparecimento de problemas que, há 30 anos, assolam com força os guarani-kaiowá: conflitos entre as famílias, suicídios dos jovens, desnutrição infantil. Com a falta de terras, os homens, sobretudo, deslocam-se para longe da família a fim de buscar remuneração principalmente nas usinas de cana-de-açúcar – alvos de frequentes denúncias em razão da precariedade das condições trabalhistas.
 Fonte: http://www.cartacapital.com.br/carta-na-escola/o-desafio-da-paz/

Outra matéria que achei fantastica foi a da Eliane Brum, na revista Época.


         A declaração de morte coletiva feita por um grupo de Guaranis Caiovás demonstra a incompetência do Estado brasileiro para cumprir a Constituição de 1988 e mostra que somos todos cúmplices de genocídio – uma parte de nós por ação, outra por omissão.
- Pedimos ao Governo e à Justiça Federal para não decretar a ordem de despejo/expulsão, mas decretar nossa morte coletiva e enterrar nós todos aqui. Pedimos, de uma vez por todas, para decretar nossa extinção/dizimação total, além de enviar vários tratores para cavar um grande buraco para jogar e enterrar nossos corpos. Este é o nosso pedido aos juízes federais. 
        O trecho pertence à carta de um grupo de 170 indígenas que vivem à beira de um rio no município de Iguatemi, no Mato Grosso do Sul, cercados por pistoleiros. As palavras foram ditadas em 8 de outubro ao conselho Aty Guasu (assembleia dos Guaranis Caiovás), após receberem a notícia de que a Justiça Federal decretou sua expulsão da terra. São 50 homens, 50 mulheres e 70 crianças. Decidiram ficar. E morrer como ato de resistência – morrer com tudo o que são, na terra que lhes pertence.

         **A carta é emocionante, e sem dúvida nos desperta indignação, pois na verdade quem somos nós para tirar terras de um povo que habitou esse território há milhões de anos atrás? É triste ver que medidas tomadas por eles, como o suícidio, são formas de pressionar o governo a fazer alguma coisa. Como disse um ícone indígena Sepé Tiarayu, também da raça guarani, porém de outra tribo, mas imortalizado por sua frase: Esta terra tem dono!

domingo, 25 de novembro de 2012

De volta /18 años

             Aqui estou novamente, me sinto de certa forma renovada, a vida deu umas reviravoltas. Mas sei que precisamos passar por isso para tudo seguir o seu ciclo! Agradeço a todos os meus amigos os que estão perto e os que estão longe, e minha família por tudo, por estarem comigo no dia do meu aniversário, e mesmo os que não se fizeram presente, sei que em pensamento e em coração estiveram junto comigo. Um abraço a todos! Hoje para tornar o domingo mais agradável, um pouco de poesia, um pouco de Fernando Pessoa...

 
Não se acostume com o que não o faz feliz, revolte-se quando julgar necessário.
Alague seu coração de esperanças, mas não deixe que ele se afogue nelas.
Se achar que precisa voltar, volte!
Se perceber que precisa seguir, siga!
Se estiver tudo errado, comece novamente.

Se estiver tudo certo, continue.
Se sentir saudades, mate-a.
Se perder um amor, não se perca!
Se o achar, segure-o!

Fernando Pessoa

quarta-feira, 21 de novembro de 2012

Seu Aniversário... ♫

Kelem, feliz aniversário!!! Toda a felicidade do mundo! :D




Hoje é seu dia, e é muito justo que seja tão especial
Toda a sua tribo também concorda e acha supernatural
A gente quer tanto bem a você, sua alegria contagia a todos nós
A gente quer é lhe devolver parte do que você traz pra gente

Parabéns, parabéns, hoje é o seu aniversário

Parabéns, parabéns, mais uma volta no calendário

Que você sorria é o que se espera, baby, todo dia

Ter você presente é nossa sorte, é o que nos faz potentes
A gente quer tanto bem a você, sua inocência purifica todos nós
A gente quer é lhe devolver, parte do que você dá pra gente

Parabéns, parabéns, hoje é o seu aniversário

Parabéns, parabéns, mais uma volta no calendário...

\o/

segunda-feira, 19 de novembro de 2012

Senta que lá vem a história...



Essa semana assisti um filme que foi indicado por um grupo de colegas meus que fizeram um trabalho sobre Charles Darwin. O nome é "Criação", relata a história da publicação do livro "A Origem das Espécies", a mais importante obra da Biologia já escrita. Em meio a uma década regida pela igreja católica, onde todos eram movidos pelo poder de Deus perante a criação do universo, Darwin desafia a todos - principalmente sua esposa - com a Teoria da Evolução.
  
 Com excelente elenco (Paul Bettany e Jennifer Connelly), um filme muito interessante não só para quem cursa ou trabalha na área da Biologia, mas para todos aqueles curiosos que gostariam de ter mais conhecimento sobre o assunto. Coloca em pauta nossas dúvidas e desafia nossas certezas.


filme criação trailer poster trama

"Há uma grandeza nessa perspectiva de vida que, enquanto esse planeta segue girando de acordo com a Lei da Gravidade, que tem um princípio tão simples, infinitas formas, as mais belas e maravilhosas, estiveram e estão em evolução."



Trailer: